Da falsidade (28.10.2013)

(2013.10.28) DA FALSIDADE img1


Dias sombrios. Nesses momentos, volto às minhas origens filosóficas, o jansenismo francês do século 17 e seu produto essencial, “les moralistes” (que em filosofia nada tem a ver com “moralista” no senso comum). Os moralistas franceses eram grandes especialistas do comportamento, da alma e da natureza humana. Nietzsche, Camus, Bernanos e Cioran eram leitores desses gênios da psicologia. Pascal, La Rochefoucauld e La Bruyère foram os maiores moralistas.

O Brasil, que sempre foi violento, agora tem uma nova forma de violência, aquela “do bem”. E, aparentemente, quase todo mundo supostamente “inteligente” assume que é chegada a hora de quebrar tudo. Nada de novo no fronte: os seres humanos sempre gostaram da violência e alguns inventam justificativas bonitas pra serem violentos.

Impressiona-me a face de muitos desses ativistas que encheram a mídia nas ultimas semanas. Olhar duro, sem piedade, movido pela certeza moral de que são representantes “do bem”. Por viver a milhares de anos-luz de qualquer possibilidade de me achar alguém “do bem”, desconfio profundamente de qualquer pessoa que se acha “do bem”. Quando o país é tomado por arautos do “bem social”, suspeito de que chegue a hora em que a única saída seja fugir.

A fuga do mundo (fuga mundi) sempre foi um tema filosófico, inclusive entre os jansenistas, conhecidos como “les solitaires” por buscarem viver longe do mundo. Eles tinham uma visão da natureza humana pautada pela suspeita da falsidade das virtudes. O nome “jansenista” vem do fato de eles se identificarem com a versão “dura” (sem a graça de Deus, o homem não sai do pecado) da teoria da graça agostiniana feita pelo teólogo Cornelius Jansenius, que viveu no século 16.

Pascal, La Fontaine e Racine eram jansenistas. Aliás, grande parte da elite econômica e intelectual francesa da época foi jansenista. Por isso, apesar de Luís 13 e 14 (e de seus cardeais Richelieu e Mazarin) e da Igreja os perseguirem, nunca conseguiram de fato aniquilá-los. Hoje, por termos em grande medida escapado das armadilhas morais do cristianismo (não que eu julgue o cristianismo um poço de armadilhas, muito pelo contrário), tais como repressão do outro, puritanismo, intolerância, assumimos que escapamos da natureza humana e de sua vocação irresistível à repressão do outro, ao puritanismo e à intolerância. Elas apenas trocaram de lugar. A face do ativista trai sua origem no inquisidor.

Uma das maiores obras do jansenismo é “La Fausseté des Vertus Humaines” (A Falsidade das Virtudes Humanas), de Jacques Esprit, do século 17. Ele foi amigo pessoal do Conde de La Rochefoucauld. Alguns especialistas consideram o conde um discípulo de Esprit. A edição da Aubier, de 1996, traz um excelente prefácio do “jansenista contemporâneo” Pascal Quignard.

O pressuposto de Esprit é que toda demonstração de virtude carrega consigo uma mentira e que as pessoas que se julgam virtuosas são na realidade falsas, justamente pela certeza de que são virtuosas. A certeza acerca da sua retidão moral é sempre uma mistificação de si mesmo. Os jansenistas sempre disseram que os que se julgam virtuosos são na verdade vaidosos. Suspeito que o que vi nos olhos desses ativistas nessas últimas semanas era a boa e velha vaidade.

Mas hoje, como saiu de moda usar os pecados como ferramentas de análise do ser humano e passamos a acreditar em mitos como dialética, povo e outros quebrantos, a vaidade deixou de ser critério para analisarmos os olhos dos vaidosos. Melhor para eles, porque assim podem ser vaidosos sem que ninguém os perceba. Vivemos na época mais vaidosa da história.

A verdade não é primeira: ela é uma desilusão; ela é sempre uma desmistificação que supõe a mistificação que a funda e que ela (a desmistificação) desnuda”, afirma Pascal Quignard no prefácio do livro de Esprit. Eis a ideia de moral no jansenismo: a verdade moral é sempre negativa, sempre ilumina a sombra que se esconde por trás daquele que se julga justo.

Que Deus tenha piedade de nós num mundo tomado por pessoas que se julgam retas.


Luiz Felipe Pondé (jornal FSP – 28.10.2013)  | Outra fonte para este artigo: AQUI


** ESTE ARTIGO É PROPRIEDADE INTELECTUAL DO AUTOR E DO JORNAL QUE O PUBLICA **

Anúncios

~ por Pathfinder em 28/10/2013.

3 Respostas to “Da falsidade (28.10.2013)”

  1. Ponde, bom dia! eu dei uma procurada e nao achei esse livro do Jacques Espritem nenhuma lingua que nao fosse o frances.Voce sabe de alguma versao em portugues ou ingles? muito obrigado!

    • Alberto, este blog não pertence ao Pondé, portando ele não poderá te responder a pergunta. Provavelmente ele nem entra no blog para ler comentários ou algo parecido, embora conheça nosso trabalho aqui. Dê uma olhada no site da AMAZON. Se não encontrar o livro por lá, provavelmente não existe edição em outra língua. Tente na Livraria Cultura também.

      Abraço

  2. é interessante que em meio ao seu blablabla, sempre surja o individuo fundado em si mesmo, é o que as pessoas estao querendo ouvir talvez… mais vc poderia tirar a bunda de um banco e ver se as desigualdades nascem msmo da qualidade do espirito em si ou daquela entidade criada por abstrações marxistas só para justificarem o a barbarie do socialismo: o capital. A pos – transcendecia quer criar apenas para criar, para fugir do passado – do qual nunca se livrará … um medo do comunismo promotor de barbarie esta no ar… e agora o que a maquina desejante PONDE poderá fazer pelos ricos… eu naum sou rico… nem to perto deles e naum preciso de marxismo pra ver que isso é politicamente incorreto sim… pq longe do nada/tudo pessoas passam fome e a concorrencia perfeita existe so nos sonhos… o real é muito real!!!

Comentários encerrados.

 
%d blogueiros gostam disto: