Escorpiões do deserto (23.09.2013)


O oriente Médio tem uma fábula que é comum para quem lá viveu ou conhece bem a região: certa feita, um escorpião pediu a uma rã que o deixasse atravessar o rio nas suas costas. Ela, atenta, disse a ele que não era idiota e que não o deixaria atravessar o rio nas suas costas, porque ele a picaria no meio da travessia e ela morreria afogada. O escorpião respondeu que não se preocupasse, porque se ele a picasse morreria junto com ela. A resposta pareceu razoável e eles iniciaram a travessia.

No meio do caminho, o escorpião picou a rã e, enquanto ela afundava, e ele com ela, ela perguntou desesperada: “Mas por quê? Você vai morrer comigo”. Ele respondeu: “Sinto muito, mas é a minha natureza”. É assim que o Oriente Médio se vê.

É impressionante como a minha classe intelectual se fez ridícula diante da Primavera Árabe, mais especificamente agora, com a Síria, achando que ali havia um movimento democrático islandês. Não há isso nem na Síria, nem no Egito. A democracia ali é tão estranha quanto para nós seria uma teocracia.

Mas a vida intelectual pública está morta no Brasil, vítima da mania de ver em toda parte “um processo histórico” em curso, da avenida Paulista às ruas de Damasco, o mesmo ridículo “frisson” com “um processo político” em curso, visando a “autonomia popular”. Puro fetiche.

Não existe tal coisa como “um processo político histórico”. Esses caras nunca se curaram do “mito da dialética” (expressão usada por Edmund Wilson, crítico americano, em seu grandioso “Rumo à Estação Finlândia”). Há muito que nós, intelectuais, sobrevivemos de fetiche no debate político. Esse fetiche chama-se “fetiche da democracia”, “fetiche do povo” ou “fetiche da revolução”.

Mais recentemente, e associado aos movimentos nos países árabes e às baladas de junho, nasceu um novo fetiche, o da revolução causada pelas redes sociais.

No Oriente Médio, os escorpiões riem desse ridículo, que tem em Obama “sua baratinha tonta” querida. O Obama pensa que é presidente de um centro acadêmico de ciências sociais.

Alguns intelectuais europeus, tomados pelo “frisson” de gozarem com seu próprio fetiche, chegaram a falar em “dois momentos da Primavera Árabe” (à la Marx) por conta do golpe “secular” do exército egípcio em cima do governo fundamentalista eleito democraticamente. Por que não paramos de projetar esquemas metafísicos (do tipo dialética hegeliano-marxista) sobre o mundo?

Acabamos por acreditar que obscuros cineastas árabes vivendo nos EUA ou professores de filosofia em capitais árabes (exemplos de “contaminação” com nosso modelo ocidental, ferramentas de nosso próprio gozo, porque “pensam como nós”) representam a população e a vida nesses países. Não, a Síria estava muito melhor (veja que não digo perfeita) antes dessa pseudoprimavera pela democracia.

A Síria, como a Jordânia hoje, era um país com razoável liberdade religiosa e social, com um cotidiano sem muita miséria e violência. Ela é o palco da disputa entre Arábia Saudita (sunita) e Irã (xiita, defensora de Assad), que vivem num estado de Guerra Fria. Mas, nem o Irã, nem os sauditas, nem os EUA, nem Israel querem a queda de Assad, porque ele, mesmo que não perfeitamente, mantém um equilíbrio na região.

Mas, desde o momento em que a mídia ocidental batizou os movimentos nos países árabes de “primavera” (ecoando a Primavera de Praga), fetiche ocidental, estabeleceu-se um programa de interpretação daqueles fenômenos como se eles fossem réplicas da mitológica Revolução Francesa, de Maio de 68 (a revolução de queijos e vinhos) e da queda das ditaduras marxistas no Leste Europeu. Entrevistando “ocidentalizantes” naqueles países, acabamos por projetar sobre eles uma demanda estranha àquele universo.

Ao endossar sem crítica os chamados rebeldes sírios, acabamos por “justificar” a guerra civil síria, para depois ficarmos posando de Madalenas arrependidas com a violência na Síria.

Em vez disso, deveríamos ouvir a sabedoria do escorpião do deserto e menos nossos livros escritos sob a tutela de taças de vinhos nas ruas de Paris.


Luiz Felipe Pondé (jornal FSP – 23.09.2013)  | Outra fonte para este artigo: AQUI


** ESTE ARTIGO É PROPRIEDADE INTELECTUAL DO AUTOR E DO JORNAL QUE O PUBLICA **

Anúncios

~ por Pathfinder em 23/09/2013.

2 Respostas to “Escorpiões do deserto (23.09.2013)”

  1. Esta fábula expressa fielmente a mentalidade dos povos muçulmanos, que educam desde cedo seus filhos para a luta armanda.

Os comentários estão desativados.

 
%d blogueiros gostam disto: