O fascismo do PT contra os médicos (02.09.2013)


O PT está usando uma tática de difamação contra os médicos brasileiros igual à usada pelos nazistas contra os judeus: colando neles a imagem de interesseiros e insensíveis ao sofrimento do povo e, com isso, fazendo com que as pessoas acreditem que a reação dos médicos brasileiros é fruto de reserva de mercado. Os médicos brasileiros viraram os “judeus do PT”.

Uma pergunta que não quer calar é por que justamente agora o governo “descobriu” que existem áreas do Brasil que precisam de médicos? Seria porque o governo quer aproveitar a instabilidade das manifestações para criar um bode expiatório? Pura retórica fascista e comunista.

E por que os médicos brasileiros “não querem ir”? A resposta é outra pergunta: por que o governo do PT não investiu numa medicina no interior do país com sustentação técnica e de pessoal necessária, à semelhança do investimento no poder jurídico (mais barato)?

O PT não está nem aí para quem morre de dor de barriga, só quer ganhar eleição. E, para isso, quer “contrapor” os bons cidadãos médicos comunistas (como a gente do PT) que não querem dinheiro (risadas?) aos médicos brasileiros playboys. Difamação descarada de uma classe inteira.

A população já é desinformada sobre a vida dos médicos, achando que são todos uns milionários, quando a maioria esmagadora trabalha sob forte pressão e desvalorização salarial. A ideia de que médicos ganham muito é uma mentira. A formação é cara, longa, competitiva, incerta, violenta, difícil, estressante, e a oferta de emprego decente está aquém do investimento na formação.

Ganha-se menos do que a profissão exige em termos de responsabilidade prática e do desgaste que a formação implica, para não falar do desgaste do cotidiano. Os médicos são obrigados a ter vários empregos e a trabalhar correndo para poder pagar suas contas e as das suas famílias. Trabalha-se muito, sob o olhar duro da população. As pessoas pensam que os médicos são os culpados de a saúde ser um lixo.

Assim como os judeus foram o bode expiatório dos nazistas, os médicos brasileiros estão sendo oferecidos como causa do sofrimento da população. Um escândalo.

É um erro achar que “um médico só faz o verão”, como se uma “andorinha só fizesse o verão”. Um médico não pode curar dor de barriga quando faltam gaze, equipamento, pessoal capacitado da área médica, como enfermeiras, assistentes de enfermagem, assistentes sociais, ambulâncias, estradas, leitos, remédios.

Só o senso comum que nada entende do cotidiano médico pode pensar que a presença de um médico no meio do nada “salva vidas”. Isso é coisa de cinema barato.

E tem mais. Além do fato de os médicos cubanos serem mal formados, aliás, como tudo que é cubano, com exceção dos charutos, esses coitados vão pagar o pato pelo vazio técnico e procedimental em que serão jogados. Sem falar no fato de que não vão ganhar salário e estarão fora dos direitos trabalhistas. Tudo isso porque nosso governo é comunista como o de Cuba. Negócios entre “camaradas”. Trabalho escravo a céu aberto e na cara de todo mundo.

Quando um paciente morre numa cadeira porque o médico não tem o que fazer com ele (falta tudo a sua volta para realizar o atendimento prático), a família, a mídia e o poder jurídico não vão cobrar do Ministério da Saúde a morte daquele infeliz. É o médico (Dr. Fulano, Dra. Sicrana) quem paga o pato. Muitas vezes a solidão do médico é enorme, e o governo nunca esteve nem aí para isso. Agora, “arregaça as mangas” e resolve “salvar o povo”.

A difamação vai piorar quando a culpa for jogada nos órgãos profissionais da categoria, dizendo que os médicos brasileiros não querem ir para locais difíceis, mas tampouco aceitam que o governo “salvador da pátria” importe seus escravos cubanos para salvar o povo. Mais uma vez, vemos uma medida retórica tomar o lugar de um problema de infraestrutura nunca enfrentado.

Ninguém é contra médicos estrangeiros, mas por que esses cubanos não devem passar pelas provas de validação dos diplomas como quaisquer outros? Porque vivemos sob um governo autoritário e populista.


Luiz Felipe Pondé (jornal FSP – 02.09.2013)  | Outra fonte para este artigo: AQUI



** ESTE ARTIGO É PROPRIEDADE INTELECTUAL DO AUTOR E DO JORNAL QUE O PUBLICA **


Anúncios

~ por Pathfinder em 02/09/2013.

3 Respostas to “O fascismo do PT contra os médicos (02.09.2013)”

  1. Sugiro que o articulista aprimore o texto saindo do âmbito do palpite para opinião fundamentada em dados, levantamentos ou pesquisas. É fato que ninguém vive no mundo capitalista sem dinheiro e todos os profissionais precisam de salário digno para viver. É fato que pagar 20 mil reais por 20 h semanais de um médico em uma cidadezinha do interior é irracional. Ora se as pessoas precisam de medicos e os que temos não querem ir, qual o problema de chamar outros?

  2. Perfeita a análise, Pondé. Eu estou desistindo do Brasil. Sou ortopedista, com mestrado e doutorado, tenho um bom consultório, mas desisti daqui. Estou me preparando para mudar com toda minha família para os Estados Unidos. Cansei de ver as coisas não andarem, cansei de ver a mesmice dos governos, e agora, com toda a insegurança jurídica que sinto do país como um todo, vejo a minha categoria ser esculachada dia após dia – e me sinto inseguro juridicamente na minha área (Medicina). O pedido de renúncia do colega que era presidente do CRM do Paraná foi um episódio único da história dos conselhos de classe. Uma sensação de desespero com o próprio eu, um tipo de pedido de socorro pela garantia dos direitos individuais. Eu, no lugar dele, faria o mesmo. O governos vem obrigando os conselhos a assinarem os registros provisórios, mesmo sem a documentação estando adequada (documentação que o próprio governos exige). Isso é um absurdo. E depois que viram que os conselhos estão buscando o seu direito na justiça, agora querem tirar dos CRMs o poder de emitir os registros, fato inédito sem precedentes no mundo. Ou seja: o Ministério da Saúde vai emitir os registros provisórios para quem quer que seja, e depois quem vai ter que fiscalizar a atuação deste médico é o CRM. É um absurdo atrás do outro. Nosso país vive tempos difíceis, e para mim o fascismo já está estabelecido no cerne do governo. Todas as técnicas utilizadas são muito claras. Espero em breve poder ver tudo isso de longe. Não nasci para viver isso, meu amigo.

  3. Pondé, este PT fascista que tem o apoio dos PMDBs da vida e de milhares de nossos agentes públicos (dos três poderes) que são o que são, não resumem todos juntos a essência deste país? Hora, nosso futuro é ser uma ‘super-cuba’, uma nação-favela! Alguém ainda tem esperança do contrário? Faz bem quem pode ir para nações minimamente decentes! E não se esqueçam de bater o pó das sandálias quando chegarem lá!

Os comentários estão desativados.

 
%d blogueiros gostam disto: