Uma nova ciência moral (25.02.2013)


Ouvi uma dessas mulheres livres, dona de seu nariz e de seu corpo, dizer: “Que falta que faz um canalha!”.

Recentemente, um grande especialista e prático da alma humana, um terapeuta, me dizia se escandalizar com o fato de que mulheres inteligentes e emancipadas falam em consultórios de psicanalistas que querem que os homens as chamem de cachorras e as tratem como vagabundas na cama. Como se escandalizar com o óbvio? Quem foi que disse que as mulheres não gostam de se sentirem vagabundas no sexo? Só quem, mui catolicamente, imaginou que querer ser tratada como vagabunda no sexo fosse fruto de opressão machista. Risadas?

O que é um canalha? Refiro-me ao conceito de canalha. Um kantiano diria “o canalha em si”. Claro, kantianos são pessoas que pensam que o mundo é o que eles pensam que é; no fundo, o kantiano é um puritano da razão aos olhos de qualquer cético. Sua “crítica da razão prática” nada mais é do que um canto monótono semelhante aos cantos das igrejas calvinistas.

Qualquer um sabe que canalhas evoluem historicamente, como tudo mais. O grande personagem Palhares, do Nelson Rodrigues, esse filósofo brasileiro, é um tipo de canalha que não existe mais: o canalha romântico e sincero (que faz falta), apesar de que ele já identificara a necessidade de o canalha evoluir. Diriam os especialistas que Palhares tinha um claro “senso histórico”.

Palhares mordeu o pescoço da cunhada caçula no corredor. E cunhadas gostosas são o segredo de um bom casamento. Palhares dizia que um canalha em sua época, os anos 1960, deveria evoluir para continuar a ser um bom canalha. No caso dele, isso significava assimilar os avanços da psicologia, levando suas vítimas para terapias de nudez e também para reuniões do Partido Comunista. Um canalha, afinal, deveria estar em dia com a sua época.

Importantíssimo, no entendimento de nosso querido Palhares, seria um canalha entender que ser católico não ajudava mais ninguém a pegar mulher porque assustaria a presa. A sinceridade do Palhares estava no fato de ele se reconhecer canalha por vontade própria.

Hoje em dia, o canalha “avançou” muito. Ele identifica “causas externas” para sua condição de canalha, ou, melhor ainda, não reconhece sua condição de canalha; julga-se apenas um homem cumprindo seu “papel social”.

Imagine um livro chamado “Tipologia do Canalha: Como Identificar o Seu”. Puro best-seller!

Por exemplo, o livro descreveria o canalha institucional, que é o canalha que faz suas baixarias dizendo que é em nome do coletivo. Normalmente, adora a hierarquia e a burocracia. É o tipo que, segundo o psicólogo americano Philip Zimbardo, autor do excepcional livro “O Efeito Lúcifer” (Record), se adaptaria bem às condições de horror em sistemas totalitários com justificativa institucional. Sentiria que o horror que causa é simplesmente fruto de respeito à burocracia.

Existem também os canalhas sociais. Estes são aqueles que justificam seus atos via condições sociais em que vivem, dizendo coisas como “a escola em que estudei fez de mim um canalha, por mim seria diferente”.

Conhecemos também os canalhas democráticos. Estes são aqueles que justificam seus atos porque combatem em defesa do povo. Este tipo é aquele que, por exemplo, sustenta a corrupção do Estado dizendo que está lutando pela justiça social.

Primo de primeiro grau deste último é o canalha militante, este tipo que agrediu a blogueira cubana Yoani Sánchez, acusando-a de ser paga pela CIA. A marca deste é jamais ouvir nada que discorde de sua religião.

Há também o canalha científico. Este afirma que as neurociências provaram que ser canalha é função de certa área do cérebro, resultado de herança evolucionária e genética.

Um tipo especialmente “fofo” é o canalha livre. Suspeito ser este o mais avançado de todos. Quando indagados acerca de seu comportamento, afirmam que agem do modo que agem porque sempre foram uma minoria oprimida e agora podem exercer sua canalhice livremente.

A frase lapidar deste tipo de canalha é: “Todos têm direito de ser o que são; eu tenho o direito de ser canalha”.


Luiz Felipe Pondé (jornal FSP – 25.02.2012)  | Outra fonte para este artigo: AQUI


** ESTE ARTIGO É PROPRIEDADE INTELECTUAL DO AUTOR E DO JORNAL QUE O PUBLICA **

Anúncios

~ por Pathfinder em 26/02/2013.

Uma resposta to “Uma nova ciência moral (25.02.2013)”

  1. Oi!

    Santa Bárbara não “incha” como São Paulo quando chove, mas “emprenha” outras áreas. Escrevi isso que se segue abaixo devido às chuvas que, finalmente, chegaram do Sul, meu Sul tal desejado, no entanto, roubado por São Paulo que fica com as águas de Fevereiro.

    …………………

    Essa tarde, eu gozei tanto que tempestade primorosa que São Pedro decidiu arrumar a casa e faz muito barulho. Relâmpagos, raios, trovões me anunciam: mude sua vida. Mude de vida. Para colocar o carro na garagem, tive que cair na chuva. E chuva grossa…. Depois de estacionar, tirei a roupa. Nada de vestido, soutien, óculos ou calcinhas. Adeus meus irmãos, minha infância, meu avô, meus pais. Virei borboleta e vôo na chuva.

    Sheila Nunes Sinceramente …………………

Comentários encerrados.

 
%d blogueiros gostam disto: