Homens que não bancam (21.01.2013)



Em dias de preguiça de verão, vi um filme desses de cujo nome ninguém se lembra. Férias devem ser assim: nada fazer e quando fizer, fazer nada. Mede-se a liberdade de uma pessoa pela capacidade que ela tem de fazer nada nas férias sem sentir aquele apelo de classe média de “fazer algo nas férias”.

Mas eis que um filme me chamou atenção pela temática: o problema que é quando o homem vive sustentado pela mulher. O personagem em questão pergunta para uma advogada que o está defendendo num caso: por que homens aos montes sustentam financeiramente mulheres, e o contrário é visto com maus olhos?

A questão é que homens que pegam dinheiro de mulher são vistos como maus-caracteres. E ponto final. Não seria esse mais um preconceito que deveríamos combater, assim como achar que os ratinhos não têm alma?

Antes de tudo, devo avisar às sargentas de plantão de que pouco importa que estatísticas apontem muitos casos de mulheres que sustentam famílias nas classes C e D (normalmente são mães sozinhas). Quando eu era estudante de medicina na Universidade Federal da Bahia e dava plantão em cidades paupérrimas no interior do Estado, atendia quatro mulheres ao mesmo tempo (aquele tipo de experiência que a esquerdinha dos jantares inteligentes paulistanos morreria de medo de ter, mas mente dizendo que se importa com o sofrimento no mundo). Mulheres assim se apresentavam como “largadas de marido”.

Tampouco os “inteligentezinhos” devem perder seu tempo falando que seu terapeuta corporal vive muito bem cozinhando para a esposa médica na casa deles em Cotia. A questão do personagem merece atenção para além das modinhas. Homens assim são chamados “homens que tiram dinheiro de mulher”. A questão é: por que ainda hoje homens assim são malvistos? Por que se olha para eles com suspeita de que sejam maus-caracteres?

Claro que existem exceções, isto é, casais que vivem bem com arranjos assim; mas o fato é que esses arranjos costumam ter prazo de validade curto. E muitas brigas versam sobre essa “situação”.

Esse normalmente é aquele tipo de tema sobre o qual não se fala em famílias educadas ou entre pessoas que fingem que o mundo mudou depois dos anos 1960. Este tipo então é muito engraçado.

A verdade é que, mesmo que bem-sucedidas, mulheres que sustentam seus parceiros sentem, no silêncio do cotidiano, ou na agonia de ter que pagar as contas no final mês, um gosto amargo de solidão na boca. Seria idiota imaginar um homem que sustenta sua mulher sofrer por se sentir “só” na função de provedor da família. Por que as mulheres se sentem sozinhas nessa situação, e os homens não?

Mas nossa heroína se pergunta: será que eu não mereço mais? Por que justo eu não consigo que meu parceiro me “banque”?

O mais duro é que mesmo em casos comuns nos quais os casais dividem os gastos, essas mulheres, que dividem os gastos, também “invejam” aquelas que têm maridos que “bancam”. Há casos em que mesmo que elas não precisem, gostariam de ter maridos que “banquem”. Eis o príncipe eterno. Todas o querem.

Aliás, o verbo “bancar” (e sua ambiguidade entre “sustentar”, “enfrentar situações difíceis” e o substantivo “banco”, lugar de dinheiro) vem muito a calhar. É comum dizer que, em casos nos quais a mulher tem muita grana, isso nunca é um problema. Acho que sim, mas nem tanto. Se ele não a banca financeiramente, porque ela de fato não precisa, ele terá que bancá-la em outro lugar. A mulher sempre quer “ser bancada”.

O incômodo feminino com homens “que não bancam” parece passar não só pela falta de grana (essa é apenas a mais universal das referências), mas essencialmente pelo problema do homem que “não tem atitude”. “Ele podia pelo menos se mexer…”, diria nossa heroína. Logo ela perderá o respeito por ele. Seria a causa biológica ou cultural?

Se a mulher séria tem de provar que não dá por aí, o homem sério tem de provar que não quer pegar dinheiro de mulher. Eis dois limites do blá-blá-blá contemporâneo. Mesmo que façam pose de bem resolvidas bancando seus homens, essas mulheres sofrem com isso e estão mentindo.


Luiz Felipe Pondé (jornal FSP – 21.01.2012)  | Outra fonte para este artigo: AQUI


** ESTE ARTIGO É PROPRIEDADE INTELECTUAL DO AUTOR E DO JORNAL QUE O PUBLICA **

Anúncios

~ por Pathfinder em 21/01/2013.

5 Respostas to “Homens que não bancam (21.01.2013)”

  1. Eu escrevi um longo artigo que explora bem esse assunto, entitulado:
    ” A Dona de Casa, o Bolo e o cálculo do PIB ”

    http://algosolido.wordpress.com/2011/05/08/a-dona-de-casa/

    As mulheres em geral concordam, mas se irritam em concordar…..

  2. Excelente!
    Este é o Pondé que respeito e aprendi a admirar. Não aquele que, mesmo veladamente, defende o extermínio de nações indígenas.
    Parabéns ao Pondé…essa ele acertou na mosca!

    • Acho um pouco insólito dizer que o Pondé defende “veladamente” o extermínio das nações indígenas baseando-se em um artigo onde ele basicamente critica usuários de redes sociais que pensam fazer “mudanças na sociedade” sentados confortavelmente em suas casas. Meio “over” essa dedução, não?

      Particularmente eu não gostei daquele texto dele sobre a questão do “guarani-kaiowá” associado ao nomes de usuários do facebook, mas também não acho que dá para fazer uma dedução como a sua, sinceramente.

      Marco

  3. Oi, Pondé,

    Li seu artigo de hoje: Homens que não bancam. É claro que esse tipo de conceito está bem distante de mim, a saber, o de homens que bancam. Eu sou e sempre fui mãe solteira e nunca fui bancada por homem. Nem mesmo por meu ex-marido. Talvez por isso, eu nunca soube cobrar que ele me bancasse. Erro meu? Tudo o que eu queria dele era sua presença em minha vida.

    Sabe o que a mim me parece? Que tem gente que não tem o direito à presença. É só esse imenso buraco de solidão que a gente vai aprendendo a administrar com o trabalho, com os cuidados da casa, troca de óleo do carro, poda nos vasos do jardim.

    A vida é lenta demais para mim. Sou uma ansiosa visceral que não consegue ficar “esperando a morte chegar”.

    Uma nota: o rapaz que faz as ilustrações de seus artigos, o Ricardo Cammarota, se superou desta vez. Em uma ilustração tão mais simples que as elaboradíssimas que ele produz (eu admiro todas), ele reproduziu a ambigüidade com uma destreza invejável – o corpo do(a) fisioculturista andrógino. Parabéns a vocês dois!

    Beijo,Sheila Nunes

    PS. A fotogravura eletrônica não deixa nada a desejar. É soberba!!!!

    ________________________________

  4. Tanto os darwinistas quanto os católicos cultivam a imagem do príncipe encantado para as mulheres. Na verdade, é bem próprio do pensamento conservador defender que os homens sejam os protagonistas do casamento. É a forma como conservadores acharam para serem menos ofendidos pelas feministas, pois ao criticarem a “moleza” dos homens que “não bancam”, eles só estão auxiliando as feministas na desqualificação do masculino. É bem o projeto da modernidade mesmo.

    Em um mundo dominado pela instabilidade no emprego & pela volatilidade nos relacionamentos, cada vez mais baseados na conta bancária do homem, é ridículo acreditar que cabe apenas ao homem “bancar” as contas. Até porque, com as separações & divórcios cada vez mais frequentes, as mulheres precisam ter recursos próprios para reconstruir suas vidas. Pelo menos até encontrar outros homens para bancá-las.

    Esqueço: para darwinistas & católicos, os matrimônios deveriam ser perpétuos. Então ambas as correntes se unem na desqualificação dos homens que não sustentam a perpetuidade do matrimônio pela via financeira. Afinal, darwinistas & católicos convergem sempre para a ideia de que casamento é união consensual onde a mulher aceita ser bancada pelo homem.

    Num mundo ideal, homens bancariam suas esposas & adorariam oferecer-se na cruz por elas (visão católica) ou enfrentar feras na floresta (visão darwinista). No mundo real, quando o desemprego está batendo à porta & quando os desejos femininos podem mudar de objeto, bancar cem por cento uma mulher é coisa de otário.

Os comentários estão desativados.

 
%d blogueiros gostam disto: