Branca de Neve azeda (17.12.2012)

Ilustração por Lyosha SvetlanaIlustração por Lyosha Svetlana

Fazer a cabeça das crianças sempre foi um dos pratos prediletos do fascismo. Agora, nem a Branca de Neve escapa, coitada, do ódio dos fascistas. O conjunto de “estudos” que se dedica a fazer a cabeça das crianças é parte do que podemos chamar de “oppression studies”.

Você não sabe o que é? “Oppression studies” é uma expressão usada pelo jornalista americano Billy O’Reilly, da Fox News, para se referir às “ciências humanas engajadas no controle das mentes”. Explico.

Reprovou um aluno? Opressão. É preguiçoso? Não, a sociedade te oprimiu e fez você ficar assim. Um ladrão te assaltou? Ele é o oprimido, você o opressor. Aliás, sobre isso, vale dizer que, com a violência em São Paulo, devemos reescrever a famosa frase do Che: “Hay que enfiar la faca en la cavera, pero sin perder la ternura jamás”.

A frase dele, assinatura de camisetas revolucionárias, é: “Hay que endurecerse, pero sin perder la ternura jamás”. Essa camiseta é a verdadeira arma contra gente como ele. Os americanos deveriam afogar o Irã em Coca-Colas, Big Macs e pílulas anticoncepcionais para as iranianas transarem adoidado com seus amantes.

Convidou uma colega de trabalho para jantar? Opressão! Você é um opressor por excelência, deveria ter vergonha disso. Não é um amante espiritual do Obama? Opressor! Come picanha? Opressor! Não acha que a África é pobre por culpa sua? Opressor! Suspeita de que o sistema de cotas vai destruir a universidade pública criando um novo espaço de corrupção via reserva tribal de mercado e compra de diplomas de escolas públicas? Se você suspeita disso, é um opressor! Acha que uma pessoa deve ser julgada pelos seus méritos e não pelo que o tataravô do vizinho fez? Opressor! Anda de carro? Opressor! Ganhou dinheiro porque trabalha mais do que os outros? Opressor!

Os “oppression studies” sonham em fazer leis. Por exemplo, recentemente, um comitê de gênero (isto é, o povo que diz que sexo não existe e que tudo é uma “construção social”, claro, opressora) desses países em que o “mundo é perfeito” teve uma nova ideia. Esses caras (ou seriam car@s?) querem proibir qualquer propaganda ou programação infantil que reproduza imagens de mulher sendo mulher e homem sendo homem. Não entendeu? É meio confuso mesmo. Vamos lá.

Imagine uma propaganda na qual existe uma família. Segundo os especialistas em “oppression studies”, para a marca não ser opressora, a família não pode ser heterossexual, porque se assim o for, o “espelho social” (a imagem que a mídia reproduz de algo) fará os não heterossexuais se sentirem oprimidos.

O problema aqui não é que as pessoas devem ser isso ou aquilo (melhor esclarecer, se não eu viro objeto de estudo dos “oppression studies”), mas sim por qual razão esses cem car@s (não são muito mais do que isso), que não têm o que fazer na vida a não ser se meter na vida, na família e na escola dos outros, têm o direito de dizer o que meus filhos ou os seus devem ver na TV? Até quando vamos aturar essa invasão da vida alheia em nome dos “oppression studies”?

Contos de fadas como Branca de Neve, Cinderela e Gata Borralheira são grandes objetos de atenção dos “oppression studies”. Claro, as três são oprimidas, por isso gostam dos príncipes. Se fossem livres, a Branca de Neve pegaria a Cinderela. Humm… não seria uma má ideia….

Veja o lixo que ficou a releitura da Branca de Neve no filme que tem a atriz da série “Crepúsculo”, a bela Kristen Stewart, como a Branca de Neve. Coitada…

A coitada tem que terminar sozinha para sustentar sua posição de rainha “empoderada”, apesar de amar o caçador (passo essencial para libertar nossa heroína da opressão de amar alguém da nobreza, o que seria ainda mais opressor).

Os “oppression studies”, na sua face feminista, revelam aqui o ridículo de sua intenção: fazer de toda mulher uma mulher sem homem porque ela mesma é o homem. Todo mundo sabe que isto é a prova mais banal da chamada inveja do falo da qual falam os freudianos. Fizeram da pobre Branca de Neve uma futura rainha velha e sem homem. Ficará azeda como todas que envelhecem assim.


Luiz Felipe Pondé (jornal FSP – 17.12.2012)  | Outra fonte para este artigo: AQUI


** ESTE ARTIGO É PROPRIEDADE INTELECTUAL DO AUTOR E DO JORNAL QUE O PUBLICA **

Anúncios

~ por Pathfinder em 27/12/2012.

2 Respostas to “Branca de Neve azeda (17.12.2012)”

  1. Pondé, você não está expandindo para além da conta os valores e comportamento de uma classe para o mudo inteiro ? Não generaliza, cara, assim enfraquece seus argumentos.

  2. ARTIGO excelente… acho que esses “opressions studies” criam do mesmo modo, uma opressão, permitindo apenas o pensamento bem comportado e hipócrita. na verdade proibem o “pensamento” de uma forma geral… que querem do conto infantil? mudem o título, então para Branca de Neve e os Oitos Homens Sexualmente Desinteressantes” – incluindo agora o prínicipe.

Comentários encerrados.

 
%d blogueiros gostam disto: