Pondé e a sensibilidade cultural (13.08.2012)


Hoje em dia gostamos de inventar termos “científicos”. Um deles é “sensibilidade cultural”, e o usamos para criticar formas de “intolerância cultural” (ou insensibilidade cultural), ou seja, tratar mal pessoas com hábitos diferentes dos nossos ou negar o direito de se praticar coisas estranhas para nossa cultura. A forma mais radical de criticar esta intolerância é dizer que “todo outro é lindo”.

Gosto mais da expressão “tolerância” quando era inocentemente aplicada a casas de mulheres que fazem sexo em troca de dinheiro, as chamadas “casas de tolerância”. Tenho saudade do uso da palavra “tolerância” neste sentido. Hoje em dia, a expressão “tolerância” é comumente utilizada por fanáticos que querem afirmar que tudo que vem do “outro” é lindo e maravilhoso.

Polêmicas ao redor do uso do véu islâmico têm sacudido a Europa. Até a Olimpíada em Londres não escapa disso. Recusar o direito de se usar o véu (ou similares) seria falta de sensibilidade cultural ou falta de tolerância cultural.

A verdade é que esse negócio de tolerância ou sensibilidade cultural com o outro (da qual partilho) é invenção de ocidental rico. E às vezes, temo, a moçada que gosta de falar disso fica tomando vinho em suas casas em segurança e nada sabem do mundo em chamas por aí. “Outros” são triturados por muitos dos “outros” que teimamos em achar lindo. Só que estes “outros” triturados são invisíveis para olhos acostumados às vítimas “profissionais” da nossa época. A indústria das vítimas oficiais não assimila esses miseráveis de fato em suas campanhas de conscientização chique.

Esses defensores da sensibilidade cultural, antropólogos de boutique, deveriam pegar um avião, sair de Paris, Londres, Nova York e São Paulo, e viajar um pouco. Quem sabe ir para algumas regiões da África, como Sahel (área semiárida no continente), Mali ou norte da Nigéria, dominadas por salafistas muçulmanos fanáticos, e defender a sensibilidade cultural por lá. Queria ver como esses inteligentinhos iriam se virar com esses salafistas que não estão nem aí para suas modinhas culturais.

No Mali, domingo 29 de julho, salafistas pegaram um casal que teve um filho fora do casamento, enterraram os dois até o pescoço e mataram a pedradas. Eles já têm espancado cristãos, destruído seus mausoléus e também destruído locais históricos do próprio islamismo que para eles não seja o “islamismo correto”. Qualquer um que não obedeça sua versão da “sharia”, a lei islâmica, é castigado fisicamente.

Sabe-se muito bem que no Egito, cristãos coptas são espancados há muito tempo e não têm os mesmos direitos civis que os muçulmanos. Por que os inteligentinhos de plantão da sensibilidade cultural não montam uma agência especial de direitos humanos para os cristãos? Que tal propor um jogo de futebol entre muçulmanos e cristãos no Egito para ensinar a “sensibilidade cultural” à maioria muçulmana lá?

Recentemente ouvi relatos antropológicos interessantes acerca de um país importante do golfo Pérsico. País que já ocupou várias vezes a mídia internacional em destaque.

Lá, mulheres estrangeiras (filipinas, paquistanesas) que buscam trabalho são constantemente violentadas por seus patrões e espancadas pelas suas patroas. Muitas vezes mortas. Todo mundo sabe (o país é minúsculo), mas não importa, porque a população local tem mais direitos dos que os estrangeiros.

Quer um exemplo: você pode trabalhar lá a vida inteira e nunca terá direito de comprar uma propriedade para você. Seu passaporte fica retido na mão do seu empregador, e se ele não quiser te dar quando você pedir, se você não achar alguém da população natural local que interceda a seu favor, você poderá não conseguir sair do país. Se você bater num carro de um cidadão natural do país, você nunca terá razão.

Todo mundo sabe que em países desta região, tocar num muçulmano é considerado ilegal. Você poderá ser preso ou deportado se alguém reportar que você tocou um dos seres “sagrados” naturais da terra. Experimente converter um deles. Cadeia na certa.

Que insensibilidade cultural, não?


Luiz Felipe Pondé (jornal FSP – 13.08.2012)  | Outra fonte para este artigo: AQUI


** ESTE ARTIGO É PROPRIEDADE INTELECTUAL DO AUTOR E DO JORNAL QUE O PUBLICA **


Anúncios

~ por Pathfinder em 28/08/2012.

3 Respostas to “Pondé e a sensibilidade cultural (13.08.2012)”

  1. Sumidos…vcs no mantem o ritmo?No vale, perco o passo. Ritmo pressupe cadncia. Abs Regina

  2. Muito obrigada.

  3. Na periferia está ocorrendo um processo que intelectuais & artistas chamam de “transformação social pela cultura”. O nome é lindo, mas a prática, horrorosa. Eles querem que crianças leiam livros em que os autores apresentam o mundo do crime como sendo violento, cruel, mas justificável; afinal de contas, os militantes acreditam que todo criminoso só é criminoso em razão da injustiça social. O blog Arcanjo Suburbano, comprometido com a literatura maldita, se opõe a esse entendimento de cultura, & não vê no outro nada de belo. O outro é apenas um ser humano como nós, cheio de vícios & incertezas. O poema A Igualdade, dedicado ao Pondé, trata exatamente disso, & foi inspirado no artigo Marketing Francês.

Comentários encerrados.

 
%d blogueiros gostam disto: