Pondé, socialismo & mulheres bonitas (21/05/2012)



“Que dó da Chanel!”, disse minha filha ao ouvir que o Monsieur Normal (François Hollande, o socialista) ganhou as eleições presidenciais na França. Só vai restar a Chanel fugir para Bélgica.

Caras como ele parecem não entender que se você coloca limites para o retorno financeiro de quem trabalha, a pessoa trabalha menos e fica preguiçosa. Ou foge para onde não roubem seu dinheiro, fruto de anos de trabalho duro. Basta ver a história. Estes caras deveriam ler a filósofa russa Ayn Rand [The Ayn Rand Institute] e seu maravilhoso “A Revolta de Atlas“, da editora Sextante [para ler o primeiro capítulo, baixe o PDF]. Sociedades socialistas cultivam a preguiça, a mediocridade e desestimulam a criatividade e coragem profissional. Todo mundo vira funcionário público. Rand conheceu na pele o ridículo do sistema socialista soviético, antes de fugir para os Estados Unidos.

Dirá o leitor que exagero. Sim, um pouco, mas em se tratando da esquerda francesa, acostumada à vida mansa do Estado de bem-estar social, a França produtiva deve ficar alerta. Assim como a Argentina, que nunca saiu da pasmaceira peronista, a França nunca saiu do delírio jacobino da Revolução Francesa. Os caras não crescem e continuam a não entender que país é como sua casa, quando se gasta mais do que se ganha, a conta não fecha no final do mês e você estoura sua conta no banco.

Engraçado como a França e outros países europeus ocidentais que não passaram por regimes marxistas gostam de brincar de socialista. Brincam como se a catástrofe que foi a experiência marxista no poder não tivesse acontecido. Acusam muita gente de não ter “consciência histórica”, quando eles não têm nenhuma. A começar pelos intelectuais de esquerda, esses mandarins da mentira.

Vejam que os países do leste europeu que foram comunistas não chegam nem perto da baboseira da esquerda. Pergunte a uma tcheca ou russa se ela gostaria de voltar ao comunismo.

Mas, como a França ainda tem dinheiro para gastar, o dinossauro francês ganhou a eleição. Se ele não criar juízo e ficar prometendo o que não pode (como deixar os franceses se aposentarem com menos de 60 anos e com isso piorar a pressão sobre a população mais jovem produtiva que paga a conta da previdência social francesa), na próxima eleição, Marine Le Pen (do Front National, partido de extrema-direita) leva, o que seria outra catástrofe. É isso que ela espera, por isso recusou apoio ao Sarkozy.

Tanto a direita radical quanto a esquerda são contra a sociedade de mercado e não entendem nada de economia. Os da esquerda culpam os ricos, os da direita radical culpam os estrangeiros, e nenhum dos dois sabe lidar com a complexidade de um mundo que nada tem de perfeito e que é sempre fruto da velha natureza humana: mentirosa, interesseira e preguiçosa, quando pode. Nada brota onde não há dinheiro. Até minha llhasa apso, mais inteligente do que muita gente que conheço, sabe disso.

E por falar em Chanel (que para mim significa “mulher bonita”), recentemente tivemos mais uma prova de que a natureza humana é atávica em suas mazelas, sendo a inveja uma das piores. Já disse várias vezes nesta coluna que as mulheres bonitas são vítimas de perseguição por parte das feias — a velha inveja da beleza. Em recente pesquisa sobre mercado de trabalho, publicada no caderno “Mercado” desta Folha (13/5), israelenses provaram que mulheres bonitas que colocam suas fotos no CV são constantemente eliminadas, não tendo chance de chegar nem a uma primeira entrevista.

E por quê? O fato é que o RH é comumente dominado pelas mulheres, e estas, aparentemente, temem que mulheres bonitas assumam cargos em suas empresas.

Incrível, não? Depois dizem que são os homens que atrapalham a vida profissional das mulheres bonitas. A verdade parece ser o contrário: se aumenta o número de homens envolvidos no processo decisório, a seleção pode deixar de ser injusta para as mais bonitas.

Já que estamos em época de cotas para minorias oprimidas, proponho cotas para mulheres bonitas nas faculdades, nas empresas e no governo. O mundo respira melhor quando tem mulher bonita por perto. Elas são o pulmão do mundo.

Luiz Felipe Pondé (jornal FSP – 21.05.2012) 

Fonte original deste artigo: AQUI


** ESTE ARTIGO É PROPRIEDADE INTELECTUAL DO AUTOR E DO JORNAL QUE O PUBLICA **


Anúncios

~ por Pathfinder em 03/06/2012.

3 Respostas to “Pondé, socialismo & mulheres bonitas (21/05/2012)”

  1. Nossa! Eu esperava mais de vc…falar da beleza das mulheres aqui? vc? vc é um filósofo, sabe que a beleza é subjetiva e no entanto, preconiza a “mulher bonita” como “pulmão do mundo”, “o mundo respira melhor qdo tem mulher bonita por perto”. As mulheres tem mais a oferecer…sabia?

    • Este artigo foi publicado no jornal Folha de São Paulo no dia 21.05.2012, segunda-feira e não AQUI no blog. O blog não é do Pondé, embora as pessoas INSISTAM em achar que é ou que ele tem alguma coisa a ver com este espaço. Não tem, não opiona nada, não se comunica conosco de nenhuma forma e muito menos nos pede qualquer coisa. Criamos o blog em 2008 porque gostamos do que ele escreve, apenas isso. E continuamos mantendo, apesar da nossa falta de tempo para cuidar do conteúdo, já que hoje temos muitos leitores que acompanham os textos de Pondé por aqui (razão principal para ainda mantermos o blog atualizado dentro da medida do possível).

      Cara Maria Honória, vocé pode expressar sua opinião negativa ou positiva aqui, fique à vontade, mas o Pondé não verá seus os comentários, muito provavelmente. Ele mal deve ter tempo de entrar no blog, se é que alguma vez nos visita. Por isso, se quiser que o Pondé conheça sua opinião, seria melhor enviar um email direto para ele. Ao menos assim há chances de você receber uma resposta.

      EMAIL DO PONDÉ: ponde.folha@uol.com.br

      Sugerimos que envie.

      Abraço, Equipe Pathfinder

  2. Acredito que o Arcanjo Suburbano teve suas razões de escrever o poema A Igualdade e dedicá-lo ao Pondé, afinal, as ideias sobre socialismo e feminino se encontram muito.

Comentários encerrados.

 
%d blogueiros gostam disto: