MARIANNE (20.06.2011)

Marianne diz que “David [o amante] cresce dentro dela e de sua vida como um tumor que tudo invade”

Luiz Felipe Pondé (originalmente publicado no jornal FSP)  |  FONTE: Perca Tempo



SEGUINDO o rastro da filosofia escandinava da angústia, deixando a Dinamarca e indo em direção à Suécia, encontro a atmosfera do grande cineasta Ingmar Bergman (1918-2007) em sua ilha de Faro.

Paisagem desolada e fria, cenário de alguns dos seus grandes filmes, Faro é o mundo ideal para a geografia bergmaniana da alma, geografia esta que fala das experiências do abandono, do amor traído, da tortura causada por um Deus silencioso, e do pavor do nada que nos habita dissolvendo nossas esperanças.

Entre os seus filmes rodados em Faro, um — para o qual ele “apenas” fez o roteiro e Liv Ullmann, uma de suas esposas e maiores atrizes, dirigiu — é excepcionalmente contundente. Infiel[título original: Trolösa — em inglês: Faithless], feito em 2000, é uma pérola da tradição dos filmes sobre o amor que devasta a vida com a força de uma tempestade vulcânica [trailer do filme no IMDB].

A estética bergmaniana da devastação da alma pelo afeto se realiza no filme não só pela presença de sua repetida insistência em expor nossos maiores demônios mas também pela delicadeza no tratamento de um desses demônios, a paixão imprevista, que assola nossa vida e a destrói, esmagando-a sob o peso da irresistível beleza do amor romântico.

Marianne [interpretada por Lena Endre] é uma bela atriz, casada com o bem-sucedido maestro Markus. O casamento deles é muito feliz, com amor, uma filha linda e doce, e sexo em abundância, dados importantes para excluirmos o senso comum que crê que a infidelidade por paixão só assola casamentos já arruinados. Se assim fosse, casais que se amam estariam a salvo, e a infidelidade por paixão romântica não seria uma tragédia, mas sim uma ciência matemática e, portanto, previsível.

O terceiro elemento é David (o amante), diretor de teatro, amigo íntimo do casal [interpretado por Krister Henriksson], que carrega elementos autobiográficos do próprio Bergman (sua crueldade com as mulheres, seu caráter furioso, sua insegurança afetiva, sua tendência autodestrutiva).

O triângulo repete a “receita” medieval clássica de destruição da vida pela paixão amorosa: a mulher que se apaixona perdidamente pelo melhor amigo do marido.

Tudo começa por acaso. Marianne e David se viam como irmãos. Uma noite, dormindo na mesma cama, já que se viam como irmãos (não vou entrar em detalhes de por que dormem nessa ocasião na mesma cama), Marianne desperta no meio da noite e “o vê pela primeira vez”, enquanto ele dorme.

Na sequência, eles se encontram numa galeria de arte, e num beijo impulsivo, a vida deles, do amigo e marido dela, Markus, e da pequena filha, Isabella, mergulha no abismo. A cegueira é de fato a melhor metáfora sensorial para o amor que os enlaçará num destino impiedoso, mas belo.

Como diz o maravilhoso escritor francês Bernanos, “o acaso é feito à nossa semelhança”. O sentido dado pelos medievais à paixão romântica é exatamente este: uma doença que nos acomete ao acaso e nos deixa obcecado pela beleza do ser amado, levando-nos à destruição.

A paixão se impõe por sua própria natureza deliciosa e por isso mesmo impiedosa, e não porque ela signifique algo além de si mesma. Quem busca na doença do amor algo além dele mesmo vaga por uma casa vazia. O roteiro de Bergman e a direção de Liv Ullmann capturam exatamente essa falta de sentido da paixão romântica, a não ser a própria escravidão maravilhosa a ela.

Marianne, contra si mesma, perde o controle da própria vida e arrasta consigo “um mundo inteiro”. Sua vida, antes bela e bem disposta entre os elementos que ordenam o cotidiano (amor, sexo, trabalho feliz e bem-sucedido, bens materiais abundantes, mas não excessivos, desenhando o equilíbrio entre desejos e necessidades visíveis), é destroçada contra sua crescente dependência da presença física de David em seu cotidiano, dissolvendo a ordem bela que dispunha sua vida para a felicidade e harmonia entre seus desejos e necessidades invisíveis.

Quanto maior o amor, maior a indiferença para com suas vítimas. Num momento de grande agonia, descrevendo o que sente, Marianne diz que “David cresce dentro dela e de sua vida como um tumor que tudo invade”.

Que Deus nos proteja do amor.


ponde.folha@uol.com.br


** ESTE ARTIGO É PROPRIEDADE INTELECTUAL DO AUTOR E DO JORNAL QUE O PUBLICA **



. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 

Mais sobre Liv Ullman, o filme “Infiel” e Ingmar Bergman:

[1] Liv Ullman talks about the movie “Faithless” (Interview on Salom.com)

[2] About the movie FAITHLESS (by Dennis Grunes)

[3] Keeping the Faith (Interview with Liv Ullman by Gerald Peary)

[4] Scenes from a Collaboration – The New York Times online (Actress Lena Endre and director Liv Ullmann comment on their collaboration on movie “Faithless”)

[5] AJUSTE DE CONTAS: Liv Ullman dirige roteiro de Ingmar Bergman e traz velhos fantasmas de volta em “Infiel” (Artigo de 06/06/2011 – Revista VEJA online)

[7] Sentimentos Obscuros da Natureza Humana afloram em “Infiel” (na sessão Cinema do TERRA online)

[8] Liv Ullman fala sobre o filme em São Paulo (em 2008) — vídeo disponível no YouTube SEM LEGENDAS


Anúncios

~ por Pathfinder em 20/06/2011.

 
%d blogueiros gostam disto: