Pondé fala sobre livro de Bernanos (30.04.2011)

Luz atormenta personagens do clássico “Sob o Sol de Satã”

LUIZ FELIPE PONDÉ (originalmente publicado no jornal FSP)  |  Fonte: Conteúdo Livre



Sou atraído por abismos. Esse abismo é a metáfora da escuridão moral em que vivo. E essa escuridão é habitada por monstros que têm meu rosto. Eles pousam sobre meu dia a dia como uma poeira invisível que fere meus dentes e minha boca, arranhando meus olhos.

Mas escrevo uma resenha, não uma confissão. Entretanto, a melhor forma de falar de um autor que consideramos um dos maiores da literatura ocidental é ser sensível ao seu modo pouco protocolar de se comportar e escrever.

Esse é o caso de Georges Bernanos (1888-1948), o “Dostoiévski francês”, que não queria “ser um escritor profissional”, mas apenas alguém que retratava as dores do mundo e de suas vitimas.
Seu livro “Sob o Sol de Satã”, de 1926, que agora sai pela Editora É Realizações, é uma obra-prima. Finalmente teremos acesso a ela.

A É Realizações também lançará “Diário de um Pároco”, “A Nova História de Mouchette”, “Os Grandes Cemitérios Sob a Lua” e outros.

Quem leu a obra de Bernanos reconhece “seu estilo” inconfundível no primeiro parágrafo dessa resenha. Lá, sou eu que escrevo, mas, na realidade, “copio” sua fina arte de anatomista da alma.
Na França é comum descrevê-lo como alguém que tinha o dom de trazer o sobrenatural ao mundo concreto dos homens atormentados.

Viver sob o sol de satã é a descrição concreta de uma luz e um calor que assolam os personagens, “derretendo-os”, condenando-os a viver sob seus elementos essenciais: o medo de si mesmos, o desespero como pai da esperança, a fé como irmã gêmea da angústia, a dor como condição da alegria.

Os dois heróis do enredo, que se arrastam pelo mundo, asfixiados pela luz aterradora do sol, vivem sob esta “terrível dominação da infelicidade”, à qual faz referência Antonin Artaud.
O livro é também um “romance policial”. A pergunta que percorre a trama é “O que é esse sobrenatural?”

Deus ou o Diabo? Independentemente da resposta, não há dúvida de que Satã é o personagem central da obra.

Enfim, Bernanos revela em si a grande tradição jansenista da França do século 17, da qual fizeram parte Pascal, Racine e La Fontaine: a melhor ciência do homem é aquela atenta ao poder avassalador do mal.


SOB O SOL DE SATÃ

AUTOR Georges Bernanos
EDITORA É Realizações
TRADUÇÃO Jorge de Lima
QUANTO R$ 53 (320 págs.)
AVALIAÇÃO ótimo



Palestra de lançamento do livro “Sob o Sol de Satã”

Com João Cezar de Castro Rocha

Espaço Cultural É Realizações (24 de novembro de 2010)




Debate sobre o filme “Sob o Sol de Satã”

Com João Cezar de Castro Rocha e Antônio Gonçalves Filho (do Estadão)

Mediador: Felipe Cherubin (da Editora É)

Espaço Cultural É Realizações (25 de novembro de 2010)




Trailer do filme Sob o Sol de Satã (1987) de Maurice Pialat

** Palma de Ouro no Festival de Cannes **

Titulo original: Sous le soleil de Satan (Under The Sun of Satan)  |  Diretor : Maurice Pialat

Com: Gérard Depardieu, Maurice Pialat e Sandrine Bonnaire




Anúncios

~ por Pathfinder em 05/05/2011.

 
%d blogueiros gostam disto: